Dia Nacional de Combate ao Câncer: o que você precisa saber

Outubro Rosa: nunca foi tão importante falar sobre o câncer de mama
18 de outubro de 2021
Como deixar cabelos e unhas mais bonitos com uma boa alimentação
10 de dezembro de 2021
Exibir tudo

Dia Nacional de Combate ao Câncer: o que você precisa saber

Sendo uma das principais causas de morte, estima-se que o câncer seja responsável por uma em cada seis mortes no planeta. Mas é importante ressaltar que muitos dos casos graves, que levam ao óbito, podem ser tratados com sucesso desde que se faça o diagnóstico precoce da doença.

De certa forma, a informação também é remédio. Por isso, desde 1988 existe o Dia Nacional de Combate ao Câncer no Brasil, celebrado em 27 de novembro. Para ajudar nessa conscientização, trouxemos alguns pontos essenciais sobre esse problema de saúde que é delicado, mas que pode ser vencido.

O que é?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a palavra “câncer” corresponde a mais de 100 diferentes tipos de doenças. Sua origem está no crescimento desordenado das células que podem comprometer tecidos e órgãos com a formação de tumores e se espalhar por todo o corpo. No Brasil, o câncer de pele, de próstata, mama, traqueia, brônquios e pulmão, cólon e reto são os mais comuns.

Tratamento pelo SUS

Depois da pandemia do novo coronavírus, o Sistema Único de Saúde (SUS) ganhou mais visibilidade, mas há quem ainda não saiba que ele também pode ser utilizado para o tratamento de doenças graves como o câncer. A primeira coisa que uma pessoa deve fazer é procurar uma unidade do SUS mais próxima de casa. Depois, é necessário passar por exames que possam identificar o problema. Uma vez diagnosticado o câncer, a partir de 60 dias depois da emissão do laudo dos exames, é possível começar o tratamento que pode ser feito com cirurgia, quimioterapia e radioterapia. Geralmente, o paciente fará o tratamento em uma UNACON (Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia), responsável por cuidar dos tipos mais comuns da doença no país. Mas há outros centros de referência como o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) e o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro. Atualmente, o Brasil possui 317 unidades e centros de assistência habilitados para o tratamento do câncer. Todos os estados brasileiros contam com ao menos um hospital oncológico para exames e cirurgias mais complexas. Para saber quais são as unidades disponíveis na sua região, basta acessar a página do INCA.

Como se prevenir

Embora ainda não exista uma cura definitiva para esta doença, a ciência já identificou que ter uma vida saudável é muito importante para não desenvolvê-la. Dentre os principais riscos estão hábitos alimentares e de rotina, como o alto índice de massa corporal, o baixo consumo de frutas e vegetais, a falta de atividade física e o uso de álcool e tabaco. Além disso, outras atitudes também colaboram para a prevenção. Usar filtro solar e evitar a exposição ao sol entre às 10h e 16h ajudam na proteção de um dos tipos mais comuns: o câncer de pele. Existem também vacinas para alguns problemas específicos. Para evitar o câncer de colo do útero, é importante se imunizar contra o HPV e, para os casos que atingem o fígado, recomenda-se a vacina contra a hepatite B, uma das responsáveis por essa variante da doença. Praticar atividades físicas também é fundamental, assim como consultar o médico e fazer exames de rotina (lembre-se: o diagnóstico precoce é essencial para a cura!).

Você também pode ajudar

Além das consequências físicas, pacientes que passam pelo tratamento também precisam de apoio emocional. Distúrbios psicológicos como ansiedade e depressão são comuns para quem passa, muitas vezes, por tratamentos agressivos. Por isso, o acolhimento e o incentivo ao cuidado psicológico sempre são importantes para colaborar com o paciente que se recupera da doença. Há muitas formas para quem deseja ajudar. Instituições que tratam gratuitamente o câncer, recebem doações para melhorar a estrutura e atender o maior número de pessoas possível. Outra medida que ganhou força nos últimos tempos é a doação de cabelos para melhorar a autoestima de quem passa pelo tratamento, inclusive as crianças.